Botafogo sai atrás do placar mais consegue empate na estréia do Carioca

Trinta e cinco minutos do primeiro tempo: no placar, Portuguesa 2 a 0. Os pouco mais de quatro mil presentes ao Nilton Santos já esboçavam vaias, pedidos por jogadores e elegiam culpados.

Mas, com crescimento coletivo na etapa final, o Botafogo lutou e conseguiu empate. Resultado ruim, entrega recompensada. Pelo menos na visão de Felipe Conceição.

Aos 9 minutos, Sassá, que não é aquele, abriu o placar para os visitantes após erro dos dois zagueiros. Carli permitiu a antecipação de Alexandro, Rabello ficou vendido, e Luan escorou para Sassá guardar.

Vinte e seis minutos depois, Sassá, com muito espaço, resolveu arriscar. Jefferson não foi com as mãos firmes na bola e botou para dentro.

João Paulo, outra figurada apagada nos primeiros 45 minutos, cresceu muito e foi o fio condutor de um Botafogo que buscava incessantemente o ataque.

O primeiro gol veio num pênalti infantil de Romarinho, que cortou com o braço cruzamento de Valencia que ele mesmo cortara erradamente. Brenner não vacilou.

O Botafogo se lançou, e a Portuguesa se encolheu, mas o chuveirinho, ora em cruzamentos de Gilson ora em levantamento de Pimpão era infrutífero.

Com as entradas de Marcos Vinicius e do ensaboado Ezequiel, o volume aumentou. Ezequiel substituiu Pimpão, que não foi bem. Já Marcos entrou no lugar de Valencia, que cansou.

Marcos Vinicius manteve o nível do chileno e acabou premiado com o gol no fim. Ezequiel, por sua vez, mostrou que sua juventude pode ser muito útil ao Alvinegro.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *